Skip links

Azeite

A oliveira destaca-se como uma das espécies vegetais mais antigas da região mediterrânica.

Fonte primordial de ácido oleico e de outros ácidos gordos importantes na alimentação humana, o azeite é a principal fonte de gordura num padrão alimentar que tem por base os princípios da dieta mediterrânica.

Portugal é autossuficiente em azeite, e em conjunto com Espanha, Itália, França, Grécia, Chipre, Croácia, Eslovénia e Malta são responsáveis por 71% da produção a nível mundial. Os outros principais países produtores são a Tunísia, a Turquia, a Síria, Marrocos e a Argélia. Assim, mais de 90% da área de cultivo das oliveiras, fabrico e comércio de azeite situa-se na Bacia Mediterrânica.

Devido ao contributo de diversas campanhas que têm sido levadas a cabo com o propósito de difundirem os benefícios do azeite para a saúde, o consumo desta gordura tem sofrido um crescimento a nível mundial, o que permitiu que países como os Estados Unidos da América, que tradicionalmente não eram consumidores de azeite, tenham aumentado o seu consumo nos últimos anos.

Em Portugal na década de 90 privilegiavam-se outras gorduras, como a margarina ou a banha de porco, no entanto nos últimos anos tem-se verificado uma nítida recuperação no consumo de azeite, fruto da “redescoberta” deste como produto natural, saudável e com inúmeros benefícios para a saúde humana.

Azeite entre os 10 princípios da dieta mediterrânica em Portugal.

Não é por acaso que o azeite representa uma figura central no Padrão alimentar mediterrânico, devendo por essa razão ser o preferido em relação às outras gorduras, tanto para cozinhar como para temperar.

É importante perceber que as gorduras provenientes de diversos alimentos são essenciais ao bom funcionamento do organismo humano. Estas fornecem-nos os ácidos gordos essenciais, que são fundamentais para a manutenção de um bom estado de saúde físico e mental dos indivíduos. No entanto não nos podemos esquecer que, como qualquer gordura, deve ser consumida com moderação, pois quando consumida em excesso aumenta o valor energético total diário o que pode contribuir para aumentar a gordura corporal, podendo levar ao excesso de peso.

As gorduras podem ser divididas em vários tipos, nomeadamente ácidos gordos saturados, ácidos gordos monoinsaturados e ácidos gordos polinsaturados.

Ácidos Gordos Saturados – O consumo excessivo de gordura saturada está associado ao aumento do risco de doenças cardiovasculares, aumento do colesterol sanguíneo, particularmente do colesterol LDL e doença aterosclerótica.

Ácidos Gordos Monoinsaturados – O seu consumo está associado à diminuição da fração LDL do colesterol sanguíneo e à manutenção da integridade celular.

O azeite é o maior fornecedor alimentar de ácidos gordos monoinsaturados, devendo por isso ser sempre preferido em relação às restantes gorduras.

Ácidos Gordos Polinsaturados – Os ácidos gordos polinsaturados são componentes fundamentais da nossa alimentação.
São considerados essenciais, porque o nosso organismo não os consegue sintetizar a partir de outras substâncias e por isso têm que ser fornecidos através da alimentação.

Entre os ácidos gordos polinsaturados, temos os ácidos gordos ómega 6 e os ácidos gordos ómega 3, que se podem distinguir com base nas diferentes funções que cada um desempenha.

Como podemos ver no gráfico o azeite é composto maioritariamente por ácidos gordos monoinsaturados, predominando o ácido oleico. Consumi-lo está associado a um aumento da capacidade antioxidante, devido a componentes como a vitamina E, carotenoides e compostos fenólicos o que vão influenciar a redução dos danos causados pela oxidação lipídica, na diminuição do estado inflamatório e ainda a melhoria da função dos tecidos corporais. Estudos sugerem melhoria da capacidade cognitiva e um potencial efeito protetor face ao desenvolvimento de doença cardiovascular, quando comparado a outros óleos vegetais.

Substituir o consumo de ácidos gordos saturados por ácidos gordos monoinsaturados relaciona-se com uma diminuição importante no risco cardiovascular, sendo que esta substituição permite aumentar os níveis de HDL e diminuir o LDL sem aumentar os triglicéridos.

Existem ainda outros alimentos fornecedores de quantidades significativas de ácidos gordos monoinsaturados:
Não esquecer que num padrão alimentar mediterrânico, assim como em qualquer padrão de alimentação saudável, se deve promover o consumo variado de alimentos, para que dessa forma possamos suprir as necessidades diárias em macro e micronutrientes.

Sabia que →

A nova Roda dos Alimentos preconiza entre 1 a 3 porções de gordura por dia, sendo que uma porção corresponde a 10g de azeite, o equivalente a 1 colher de sopa.

Curiosidade →

O azeite deve ter um aspeto líquido oleoso, límpido e não deve apresentar depósito. Para tal deve ser armazenado num local com pouca luminosidade, estar bem vedado, de modo a evitar a oxidação e rancificação, e deve ser conservado entre os 15 e os 18ºC.

 

Tânia Fernandes

Tânia Fernandes

Referências Bibliográficas:

Albuquerque, T. G., Costa, H. S., & Oliveira, M. B. P. P. (2019). An overview of portuguese olive oils and table olives with protected designation of origin. European Journal of Lipid Science and Technology, 121(5).

Albuquerque, T. G., Costa, H. S., Silva, A. S., & Oliveira, M. B. P. P. (2014). Olive oil and other vegetable oils, (7), 19–26.

CML. (2016). Manual “ Selo Saudável ,” 1–51.
de Lorgeril, M., & Salen, P. (2011). Mediterranean diet in secondary prevention of CHD. Public Health Nutrition, 14(12 A), 2333–2337.

Fonseca, R., & Santos, P. (2016). Dieta Mediterrânica. Metis, 66. Retrieved from http://metis.med.up.pt/index.php/Dieta_Mediterrânica

Gaforio, J. J., Visioli, F., Alarcón-De-la-lastra, C., Castañer, O., Delgado-Rodríguez, M., Fitó, M., … Tsatsakis, A. M. (2019). Virgin olive oil and health: Summary of the iii international conference on virgin olive oil and health consensus report, JAEN (Spain) 2018. Nutrients, 11(9), 1–33.

International Olive Council. (n.d.). The olive tree. Retrieved January 25, 2020, from https://www.internationaloliveoil.org/olive-world/olive-tree/

Pinho, I., Rodrigues, S., Franchini, B., Graça, P. (2016). Padrão Alimentar Mediterrânico: Promotor De Saúde. Direção-Geral Da Saúde, 10–29.

Pinho, I., Franchini, B., & Rodrigues, S. (2016). Guia Alimentar Mediterrânico : Relatório justificativo do seu desenvolvimento. Programa Nacional Para a Promoção Da Alimentação Saudável, 47.