Skip links

Mel

O mel foi um dos primeiros alimentos do homem e era utilizado na antiguidade para abençoar casas, como tributo aos deuses, como pagamento ou na medicina tradicional. Era utilizado para tratar vários problemas apesar de não se saber o que o tornava eficaz. Hoje em dia têm vindo a provar-se algumas das suas propriedades antioxidantes, anti-tumorais, antimicrobianas, anti-inflamatórias entre outras, mas ainda há dúvidas acerca de muitos dos seus benefícios.

As abelhas produzem o mel para assegurar a sua sobrevivência mas ao mesmo tempo asseguram a polinização e sobrevivência de várias plantas. O mel é constituído principalmente por hidratos de carbono, e também tem na sua composição aminoácidos, água, vitaminas, minerais e outros compostos como enzimas, ácidos orgânicos, carotenoides, pigmentos e substâncias aromáticas.

Variações na espécie de abelhas, nas flores, nas regiões geográficas ou no clima podem alterar a composição, cor, sabor e aroma do mel. Já depois de ser produzido factores como o processamento, o armazenamento, o tipo de embalagem e a manipulação, entre outros, também podem alterar as suas características.

Os principais responsáveis pela doçura do mel são a glucose e a frutose. Os hidratos de carbono são moléculas muito abundantes e alguns deles, como por exemplo os açúcares e o amido, fazem parte da dieta da maior parte das pessoas. Podem ser divididos em três categorias tendo em conta o seu tamanho: monossacáridos, oligossacáridos ou polissacáridos.

Os monossacáridos são constituídos por uma única molécula, sendo que o mais abundante na natureza é a glucose. Os oligossacáridos são cadeias curtas de duas ou mais moléculas unidas entre si e o mais normal é encontrarmos cadeias de duas moléculas, ou dissacáridos, como por exemplo o açúcar de cana. Os polissacáridos são cadeias de 20 ou mais moléculas (que podem chegar às centenas ou milhares de moléculas), e podem ser cadeias lineares ou ramificadas. Por norma os monossacáridos e dissacáridos têm nomes que terminam em “ose” (glucose, frutose, dextrose, etc.).

A concentração de frutose e glucose, assim como o rácio entre os dois, variam de mel para mel e podem servir para identificar variedades específicas de mel. Em quase todos os tipos de mel a frutose é o açúcar em maior proporção, mas alguns, como o mel de colza ou de dente-de-leão podem ter a fração de glucose superior à de frutose.

O mel tem cerca de 0,25% de proteína, principalmente na forma de enzimas e aminoácidos e tem também pequenas quantidades de vitaminas, principalmente as do complexo B e vitamina C. Os compostos minerais também são encontrados em vários tipos de mel (há maior teor de minerais em tipos de mel mais escuros) e variam com base no tipo de solo das plantas visitadas pelas abelhas.

A atividade antioxidante do mel deve-se à presença de catalase, ácido ascórbico, oxidase, e flavonoides, entre outros compostos. O seu efeito anti-inflamatório tem sido ligado a diferentes flavonoides que inibem o desenvolvimento da inflamação, e o seu baixo conteúdo em água inibe o crescimento de bactérias contribuindo, para a atividade antibacteriana.

O mel voltou a ganhar popularidade como agente antibacteriano devido ao aumento da resistência aos antibióticos. Existem de momento várias aplicações clínicas para o mel, como por exemplo em queimaduras, em úlceras, em feridas infetadas sem resposta aos antibióticos, na cicatrização após a extração de dentes em crianças e há estudos que parecem indicar um possível uso do mel na prevenção da osteoporose.

Fonte: Tabela de Composição dos Alimentos do Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge
Apesar de ser um produto natural o mel não deixa de ser rico em açúcares simples e por isso o seu consumo deve ser ocasional. Os seus valores energéticos são muito semelhantes aos do açúcar refinado como podemos ver no gráfico “Comparação entre o valor energético e quantidade de hidratos de carbono do mel e de dois tipos de açúcar”, mas consegue ter um poder adoçante superior, ou seja, a mesma quantidade dá um sabor mais doce, com a vantagem de fornecer pequenas quantidades de algumas vitaminas e minerais.

Sabia que →

Em Portugal existem vários tipos de mel com Denominação de Origem Protegida (DOP), um selo que garante um produto de qualidade com características únicas. O consumo de produtos DOP promove não só o combate à fraude, mas também protege e valoriza os apicultores locais contribuindo para a preservação dos ecossistemas.

Mito →

Pode o mel reduzir os sintomas de tosse causada por bactérias ou vírus em crianças? Um estudo de 2018 comparou o efeito do mel com o efeito de vários medicamentos de venda livre no tratamento da tosse em crianças e concluiu que não existem dados suficientes para recomendar o uso do mel em vez de outros medicamentos de venda livre.

Helena Salgado Guerreiro

Helena Salgado Guerreiro

Referências Bibliográficas:

Caballero, B., Trugo, L., & Finglas, P. (Eds.). (2003). Encyclopedia of food sciences and nutrition. Baltimore, EUA: Academic Press.

Da Silva, P. M., Gauche, C., Gonzaga, L. V., Costa, A. C. O., & Fett, R. (2016). Honey: Chemical composition, stability and authenticity. Food Chemistry, 196, 309–323. https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2015.09.051

Grotto, D. (n.d.). 101 Foods That Could Save Your Life. Retrieved from http://books.google.com/books?hl=en&lr=&id=l4NIwOljrxYC&oi=fnd&pg=PR11&dq=101+Foods+that+could+Save+your+Life&ots=MRpdGrCat-&sig=cpBSltDmMPVg6G8ZxqbsdLjZUmc

Hixon, K. R., Klein, R. C., Eberlin, C. T., Linder, H. R., Ona, W. J., Gonzalez, H., & Sell, S. A. (2019). A Critical Review and Perspective of Honey in Tissue Engineering and Clinical Wound Healing. Advances in Wound Care, 8(8), 403–415. https://doi.org/10.1089/wound.2018.0848

Kamaruzzaman, M. A., Chin, K. Y., & Mohd Ramli, E. S. (2019). A Review of Potential Beneficial Effects of Honey on Bone Health. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, 2019. https://doi.org/10.1155/2019/8543618

Khan, R. U., Naz, S., & Abudabos, A. M. (2017). Towards a better understanding of the therapeutic applications and corresponding mechanisms of action of honey. Environmental Science and Pollution Research, 24, 27755–27766. https://doi.org/10.1007/s11356-017-0567-0

Mandal, M. D., & Mandal, S. (2011). Honey: its medicinal property and antibacterial activity. Asian Pacific Journal of Tropical Biomedicine, 1(2), 154–160. https://doi.org/10.1016/S2221-1691(11)60016-6

Mel Nacional. (2018). Retrieved February 14, 2020, from https://nutrimento.pt/noticias/mel-nacional-escolha-alimentar-impacto-no-meio-ambiente/

Mokhtari, S., Sanati, I., Abdolahy, S., & Hosseini, Z. (2017). Evaluation of the Effect of Honey on the Healing of Tooth ExtractionWounds in 4-to-9-Year-Old Children. Nigerian Journal of Clinical Practice, 22, 1328–1334. https://doi.org/10.4103/njcp.njcp

Nelson, D. L., & Cox, M. M. (2002). Lehninger Princípios de Bioquímica. (A. A. Simões & W. R. N. Lodi, Eds.) (3a). São Paulo, Brasil: W. H. Freeman and Company.

Nolan, V. C., Harrison, J., & Cox, J. A. G. (2019). Dissecting the antimicrobial composition of honey. Antibiotics, 8(251), 1–16.

Oduwole, O., Udoh, E. E., Oyo-Ita, A., & Meremikwu, M. M. (2018). Honey for acute cough in children. Cochrane Database of Systematic Reviews, (4). https://doi.org/10.1002/14651858.CD007094.pub5

Saha, S. (2015). Honey-The Natural Sweetener become a Promising Alternative Therapeutic:A Review. South Indian Journal of Biological Sciences, 1(2), 103–114. https://doi.org/10.22205/sijbs/2015/v1/i2/100432

Tabela de Composição dos Alimentos. (n.d.). Retrieved February 14, 2020, from http://portfir.insa.pt/